Odisseia: Núcleo de Pesquisa Abdelmalek Sayad é vinculado ao Departamento de Ciências Sociais da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) e cadastrado no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Dedica-se a pesquisar a genealogia do pensamento de Abdelmalek Sayad (1933-1998). Nosso intuito é compreender a construção de sua obra, bem como os conceitos-chave no campo dos estudos migratórios ao longo de sua trajetória pessoal e de pesquisador. Paralelamente, propomos que a sua metodologia, conceitos e hipóteses devam ser mobilizados em pesquisas empíricas sobre a realidade migratória contemporânea. Nesse sentido, os temas de investigação giram em torno de seus escritos desenvolvidos a partir de pesquisas conduzidas na Argélia e na França, bem como do debate intelectual estabelecido com acadêmicos, ativistas, literatos e, sobretudo, com migrantes e não-migrantes nos dois países. Em outras palavras, a proposta é explorar o que entendemos como um estudo social conduzido de forma engajada nas duas margens dos mundos colonial e neocolonial, e o impacto da modernidade capitalista causado em populações vulneráveis. Assim, Odisseia busca suprir algumas lacunas presentes no campo dos estudos migratórios desenvolvidos no Brasil: ampliar a compreensão do legado intelectual deixado por Abdelmalek Sayad, estimular o debate de sua obra entre as gerações mais novas de pesquisadores por meio de produções (publicações científicas, seminários e entrevistas) resultantes de pesquisas e diálogos interinstitucionais com pesquisadores também dedicados ao estudo do pensamento de Sayad em centros de pesquisas localizados dentro e fora do Brasil e incentivar a pesquisa empírica a partir de seus conceitos, hipóteses e metodologias.

O grupo organiza-se através das seguintes linhas de pesquisa:

* Migração e Sujeito Migrante;

* Migração e Estado;

* Migração e Colonialismo.

O nome do grupo surge como referência ao fato do próprio autor, Abdelmalek Sayad, explorar a Odisseia em seus escritos (1998; 2000). Poema épico, atribuído a Homero (928 a.C. – 898 a.C.), Odisseia relata o longo e não-linear regresso de Odisseu – ou Ulisses – à sua terra natal, Ítaca. Uma viagem que levou dez anos, após, também, os dez anos da batalha de Tróia. A forte influência homérica aparece em obras posteriores que, do mesmo modo, narram épicas jornadas. Destacamos a Eneida, de Públio Virgilio (70 a.C. – 19 a.C.), e Os Lusíadas, de Luis Vaz de Camões (1524 – 1579/80). Curiosamente, por meio de Sayad e sua leitura totalizante do fenômeno migratório, veremos o poema, igualmente, ganhar presença nas Ciências Sociais. A saudade da terra, um mal cujo remédio se chama o regresso ou o retorno, presente na volta de Ulisses para Ítaca, foi uma das formas encontradas por Sayad para demonstrar, aos leitores, a jornada de seus entrevistados, camponeses despojados de suas terras, que migravam entre o mundo rural de uma Argélia recém-independente, mas não autônoma, e os subúrbios de centros urbanos franceses. Essa, portanto, é a origem, também, de nosso nome.